Maranhão terá Residência Profissional em Ciências Agrárias

 

O governador Flávio Dino anunciou  nesta semana, por meio de suas redes sociais, a criação do Programa de Residência Profissional em Ciências Agrárias.

Inicialmente, o programa ofertará 100 vagas para profissionais formados no máximo há 2 anos das áreas de Engenharia Agronômica, Engenharia de Pesca, Medicina Veterinária e Zootecnia.

O programa de residência será coordenado pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Fundação de Amparo à Pesquisa do Maranhão (Fapema) e Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima).

Esse programa consiste em colocar o profissional formado no maranhão em atividade do agronegócio dentro do estado, ou seja, assim como ocorre em uma residência médica, o recém-formado entra em um hospital para aprimorar seus conhecimentos e desenvolver suas habilidades. Da mesma forma nas ciências agrárias assim como, zootecnia, engenheiros agrônomos, veterinários, engenheiros de pesca, que estarão nesse programa, selecionados via Fapema, sendo a parte acadêmica coordenada pela UEMA e a parte técnica coordenada pela SAGRIMA, terão acesso a tecnologias que provavelmente não tiveram na graduação e assim, aprimorar os seus conhecimentos.

Dessa forma, eles conseguirão ocupar cargos mais elevados dentro do que hoje nós temos a oferecer aos profissionais da área. Então esse programa visa o melhoramento do profissional, inserção dele no mercado de trabalho e a disponibilidade desses profissionais com essa formação no nosso setor agropecuário.

Os alunos recém-formados terão uma orientação técnica através da secretaria de agricultura e orientação acadêmica, ou seja, eles terão um orientador dentro da formação acadêmica, onde esse programa de residência também passa a ser uma pós-graduação dentro da universidade, na qual ele sairá com um título no final do projeto e terá que apresentar seu relatório de aprendizado.

A respeito disso, de acordo com o Secretário da Pasta da Agricultura, Pecuária e Pesca, Sérgio Delmiro: “O mercado do agronegócio do estado está em plena expansão e é importante também que os profissionais formados no estado, tenham acesso a todas essas cadeias produtivas que estão em desenvolvimento e nós vemos que muitas vezes os profissionais acabam vindo de outros estados e é exatamente isso que a gente quer estar trabalhando, no objetivo de inserir o profissional formado nas nossas universidades nesses empregos e cargos que podem remunerar e qualificar melhor os nossos profissionais.”