SAGRIMA realiza entrega de Sementes A SIER para distribuição nas Comunidades Quilombolas

A Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca, realizou na tarde da útima quinta-feira(11), através do Projeto Mais Sementes e Mudas, a ação de entrega das Sementes para Secretaria de Estado Extraordinária de Igualdade Racial-SEIR.


A parceria entre as duas Secretarias Estaduais visa desenvolver projetos de inclusão produtivas apoiados pelo Governo do Estado e beneficiarão 15 comunidades quilombolas de 08 municípios que receberam kits de irrigação e agora sementes de milho para plantio nos campos irrigados e ainda sementes frutíferas e de hortaliças .

Estiveram presentes no evento, o Secretário da Sagrima, Sérgio Delmiro e equipe técnica da Sagrima, o Secretário de Estado de Igualdade Racial, Gerson Pinheiro e equipe da SEIR, dentre outros.

“Essas sementes estão chegando não só para levar tecnologia, mas também trazer o insumo para o agricultor dos quilombos que já estão com os kits irrigados, juntamente com as sementes de hortaliças e frutíferas, onde tem mamão, melancia, alface e cheiro verde que está indo agora para as áreas produtivas. Estaremos entregando também, sementes de milho para os 15 hectares que foram instalados agora no projeto de irrigação. É uma parceria importante da secretaria de agricultura com a secretaria de igualdade racial para fortalecer os quilombos do estado do maranhão.” Ressaltou o Secretário da Pasta da Agricultura, Pecuária e Pesca, Sérgio Delmiro.

De acordo com o Secretário Gerson Pinheiro, os insumos serão recebidos por 8 municípios de 4 Regiões do Maranhão(Campos Lagos, Litoral Ocidental Maranhense, Itapecuru, além da região do Muni Lençóis). ” A partir destas 04 Regiões iremos desenvolver tecnologias para levar também a outras comunidades no estado do Maranhão, por isso é muito importante para a Secretaria de Igualdade Racial essa parceria com a SAGRIMA, para levarmos tecnologia de produção aos quilombos, na qual temos aproximadamente mil quilombos no Estado do Maranhão onde todos eles estão produzindo para subsistência e o nosso trabalho agora é fazer a inclusão produtiva desses quilombos para que eles possam produzir em função de comercializar e melhorar a condição de vida de suas famílias.” reforça Pinheiro.